COMECE A DIGITAR E PRESSIONE ENTER PARA PESQUISAR

Drogas causam 1 em cada 5 acidentes de trabalho no mundo

Conclusão vem de relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) apresentado na Academia de Ciências Médias de Bilbao, na Espanha.

Divulgada na palestra “Consumo de drogas, álcool e medicamento no trabalho”, a pesquisa indica que os setores profissionais com as maiores taxas de acidentes são os de relações públicas, comércio e construção. O estudo é baseado na investigação de 38 empresas dos Estados Unidos, da Europa e da Ásia durante os últimos cinco anos. No Brasil, os setores industriais e de trasporte são os mais afetados pelo consumo de substâncias psicoativas.

De acordo com o relatório da OIT, entre 15% e 25% dos acidentes de trabalhos ocorrem no local onde os profissionais exercem as atividades ou em deslocamento pela impossibilidade de manter os reflexos.
Essa incapacidade de coordenação e de concentração é causada, segundo os especialistas, principalmente pelo consumo habitual de drogas psicoativas, tais como álcool, cocaína, maconha, heroína e remédios para controlar a ansiedade, em profissionais com idades de 20 a 35 anos.

Segundo o psiquiatra espanhol Jerônimo San Cornélio, três razões fundamentais induzem um profissional a manter o hábito de consumir tais substâncias: a atração pelas drogas, a fisiologia de cada indivíduo e a pressão social.
Já no perfil do trabalhador viciado, os homens são a maioria: 75% dos casos de acidentes relacionado ao consumo de drogas. As mulheres correspondem 25%. Mas o relatório aponta que essa diferença está diminuindo: na década passada 90% dos envolvidos eram homens, enquanto mulheres eram 10%.

As características que denunciam os problemas no ambiente de trabalho, que estão relacionados ao consumo habitual de drogas, são atitudes de nervosismo, irritabilidade, falta de concentração e excessivos pedidos de dispensa.
O psiquiatra ainda defendeu o sistema em que as empresas aplicam teste antidroga para funcionários que aspiram certo cargos. “Todos somos livres para consumir o que quisermos, mas o lugar de trabalho envolve responsabilidade sobre os demais profissionais”, disse.

Sobre o autor:André

Deixe um comentário